Goioerê, terça-feira, 1º de dezembro de 2020 ESCOLHA SUA CIDADE
15/08/2020

O chamado dos apóstolos - Pr. Pedro R. Artigas

O chamado dos apóstolos - Pr. Pedro R. Artigas

O chamado dos apóstolos

Pr. Pedro R. Artigas

No evangelho de Marcos no capítulo 3, nos versículos de 13 a 19 temos o chamado dos apóstolos, que diz o seguinte: “Jesus subiu a um monte e chamou a si aqueles que ele quis, os quais vieram para junto dele. Escolheu doze, designando-os como apóstolos, para que estivessem com ele, os enviasse a pregar e tivessem autoridade para expulsar demônios. Estes são os doze que ele escolheu: Simão, a quem deu o nome de Pedro; Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, aos quais deu o nome de Boanerges, que significa filhos do trovão; André; Filipe; Bartolomeu; Mateus; Tomé; Tiago, filho de Alfeu; Tadeu; Simão, o zelote, e Judas Iscariotes, que o traiu”.  Um ponto importante que chama a atenção neste texto, é exatamente o primeiro versículo: “Jesus subiu a um monte”, em outras palavras Jesus sendo o Filho do Altíssimo nunca fez nada sem antes consultar ao Pai.

Se fizermos uma leitura rápida desde o primeiro capítulo deste Evangelho , veremos que desde o versículo 21 em diante Jesus vem realizando milagres, e isto logo após ter sido tentado no deserto após o batismo, e esses milagres começam a atrair pessoas para segui-lo, e vendo isto ele começa a escolher os primeiros discípulos, chama quatro pescadores que deixam rapidamente seus trabalhos e começam a segui-lo.

Poderíamos até dizer que desde que os quatro abandonaram seus trabalhos o seguiram constantemente, e que são felizes aqueles que seguem a Cristo desde o primeiro chamado. Mas ele só vai completar seus mais próximos discípulos, e aqui devemos compreender por que esses homens são nesse tempo chamados discípulos e não apóstolos.

Discípulos é um estudante. Um discípulo é alguém que se disciplina nos ensinamentos e práticas de outro. A palavra discípulo, como disciplina, vem da palavra latina “discipulus”, que significa “aluno” ou “aprendiz”. Consequentemente, aprender é disciplinar-se. Já o apóstolo é designado para um trabalho específico dentro do ensino de Jesus. Prioritariamente, este serviço seria o de expandir a mensagem do evangelho para novas localidades, organizando a vida cristã entre os fiéis. A função é responsável pela fundamentação de questões doutrinárias, em consonância com os ensinamentos a respeito de Deus ensinados por Jesus durante os anos de convivência que eles tiveram.

Mas voltando ao contexto, vemos que já muitos discípulos andavam com Jesus, e então após subir ao monte e conversar com o Pai, ele os escolhe não por seu maior conhecimento ou importância dentre o grupo, mas pelo coração de cada um. Esse ensinamento dado por Jesus poderia ser importante para nossas ações sempre. Não tentar resolver por nossas intuições, ou pelo saber adquirido, nem tampouco pela ordem de importância que acreditamos ter.

Se quando vamos tomar uma decisão primeiro consultássemos a Deus, e pedíssemos sua orientação com certeza erraríamos menos, e teríamos muito mais convicção do que falaríamos e de como deveríamos agir.

Se lermos com atenção todo ensinamento de Jesus, observaremos que em todo momento e em tudo que precisava fazer ele tirava um momento para orar e conversar com o Pai. E isto fazia parte do ensinamento aos discípulos, você quer fazer algo? Ótimo, tire um momento para orar e pedir a orientação segura de Deus. Meu pai sempre tinha uma frase interessante para esses momentos, ele dizia: “quem tem pressa em fazer com certeza come cru” e eu acrescento é melhor perder um tempo conversando com Deus que topar com o dedão do pé na frente por não conhecer o terreno que está.

Observe que nestes três primeiros capítulos do evangelho de Marcos, Jesus tem três momentos de oração, o primeiro quando sai do batismo e é levado ao deserto para ser tentado e passa ali 40 dias, o segundo ainda no primeiro capítulo versículo 35, “Jesus tendo se levantado de madrugada, quando ainda estava escuro , saiu e foi para um lugar deserto e ali orava”. Se continuar a leitura, quando o encontram, Jesus diz vamos a diversos lugares e povoados a fim de que pregue também ali, pois foi para isso que eu vim”, em outras palavras podemos dizer eu estava me preparando com o Pai para saber como deveria proceder em todas as ocasiões. E a terceira é neste momento da escolha dos futuros apóstolos. Se pautássemos nossa vida em ter momentos preciosos com Deus em oração muitos dos erros que cometemos não os faríamos, pois a direção Divina seria nosso Norte, sem erros ou falhas, mas infelizmente primeiro erramos, para depois pedirmos a orientação. Pense nisso nesta semana, e comece sem medo a praticar esse maravilhoso momento. Shalom.

Fonte: Pr. Pedro R. Artigas

Pr. Pedro R Artigas

Pr. Pedro R Artigas

Escreve sobre Contato Pastoral

Pedro Rivadavia Artigas 

Pastor Metodista formado em 1985 pelo CEMETRE 

Especializado em Aconselhamento Familiar 

Formado em Técnico Químico em 1969 - Colégio Osvaldo Cruz - SP 

Especialização em Marketing pela ADVB - SP em 1974 

Atualmente aposentado Cultivando Orquídeas

Ler mais notícias

OPINE!

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. © 2017. Todos direitos reservados. Jornalista Responsável - Jairo Tomazelli - 0011632/PR

Desenvolvido por Cidade Portal