Goioerê, terça-feira, 1º de dezembro de 2020 ESCOLHA SUA CIDADE
12/09/2020

A parábola da semente - Pr. Pedro R. Artigas

A parábola da semente - Pr. Pedro R. Artigas

A parábola da semente

Pr. Pedro R. Artigas

Estamos no limiar de mais uma faina na roça, trabalhadores preparam seus tratores, verificam suas semeadoras, enchem os tanques de seus pulverizadores com herbicida para que o campo esteja limpo para receber a semente.

Toda uma azáfama começa para que o plantio seja efetuado dentro das datas marcadas e o serviço seja terminado com sucesso. Terra preparada, semente estocada, adubo também no celeiro e isso me lembra de uma parábola de Jesus contada por Ele no Evangelho de Marcos capítulo 4, versículos de 26 a 29: “E dizia: O reino de Deus é assim como se um homem lançasse semente à terra. E dormisse, e se levantasse de noite ou de dia, e a semente brotasse e crescesse, não sabendo ele como. Porque a terra por si mesma frutifica, primeiro a erva, depois a espiga, por último o grão cheio na espiga. E, quando já o fruto se mostra, mete-se-lhe logo a foice, porque está chegada à ceifa”.

Podemos afirmar que esta passagem pode ser sem dúvida inserida no final da parábola do Semeador, que está no início deste capítulo. Aqui Marcos afirma que o solo produz espontaneamente. E sua descrição é do crescimento espontâneo da semente que produz o fruto. O aspecto do reino que está se considerando é o aspecto presente, espiritual, na sua realidade interna como também nas suas manifestações externas. Este reino se estende pela semeadura da semente da palavra, conforme o próprio Senhor Jesus afirma no versículo 14: “o semeador semeia a palavra”. A analogia da semeadura da semente no campo é a mesma da semeadura da Palavra nos corações das pessoas. E se no campo é necessário todo um cuidado neste momento, pois uma boa semeadura representa uma boa colheita, também quando semeada a Palavra nos corações ela deve representar o mesmo cuidado, e esse cuidado podemos exemplificar como sendo nosso testemunho e maneira de proclamar as Boas Novas de Cristo, sem falar mas, demonstrando em nosso viver.

O motivo por que a terra por si mesma frutifica, é que a semente contém vida, o qual, quando colocada no ambiente adequado, produz crescimento. A característica do Reino da Graça presente e espiritual, conforme apresentado por esta parábola, é que a mensagem do Evangelho pela sua própria natureza, quando semeada nos corações dos homens produz crescimento e frutifica espontaneamente.

Desta maneira é que lemos que o homem dorme e acorda e nada pode fazer se não esperar que a semente brote para a honra e louvor. Não é nossa disciplina ou qualquer outro artefato em cima da semente que a fará brotar mais depressa, mas sim a terra onde foi plantada a semente de vida. Igualmente na semente lançada na lavoura, o agricultor nada pode fazer para apressar ou retardar a brotação da semente. Cabe a ele esperar pela chuva, pelo sol, pelo tempo. Nos corações de homens e mulheres a mesma coisa acontece, alguns por estarem por demais ressequidos, a semente demora mais para brotar, em outros os corações estão por demais molhados pela ação do pecado e da amargura, as sementes brotam, mas a grande umidade as mata, é necessário muitas vezes verificar as condições e trabalhar esse coração como se trabalha a terra.

Desta maneira, amados irmãos, é nossa responsabilidade, de semearmos a boa semente, e esperarmos que Deus dentro de seu próprio tempo, e com as chuvas que caem, irá fazer a semente brotar.  Este texto, encontrado somente aqui em Marcos, fala do crescimento imperceptível da Palavra semeada no coração e no mundo, iniciativa própria de Deus. Mas o clímax vem no final deste texto no julgamento final quando o propósito de Deus ficará claro. Cumpre a nós lançarmos a boa semente, por mais rochoso que seja o solo, ou por mais molhado que esteja, devemos continuar lançando a semente, cuidando para que a erva daninha não venha fazer estrago na lavoura  semeada,  e permitir que  Deus faça frutificar, é isto que devemos começar a fazer.  Vamos então preparar todo nosso maquinário para esta semeadura, e cuidarmos para que a colheita seja farta. Shalom.

Fonte: Pr. Pedro R. Artigas

Pr. Pedro R Artigas

Pr. Pedro R Artigas

Escreve sobre Contato Pastoral

Pedro Rivadavia Artigas 

Pastor Metodista formado em 1985 pelo CEMETRE 

Especializado em Aconselhamento Familiar 

Formado em Técnico Químico em 1969 - Colégio Osvaldo Cruz - SP 

Especialização em Marketing pela ADVB - SP em 1974 

Atualmente aposentado Cultivando Orquídeas

Ler mais notícias

OPINE!

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. © 2017. Todos direitos reservados. Jornalista Responsável - Jairo Tomazelli - 0011632/PR

Desenvolvido por Cidade Portal