Goioerê, sábado, 23 de janeiro de 2021 ESCOLHA SUA CIDADE
28/11/2020

Quais vidas importam? - Pr. Pedro R. Artigas

Quais vidas importam? - Pr. Pedro R. Artigas

Quais vidas importam?

Pr. Pedro R. Artigas

Há um movimento que veio importado dos Estados Unidos que no Brasil ficou sendo como “Vidas negras importam”, mas será somente vidas negras brasileiras importam? Não seria muito apropriado dizer “todas as vidas importam”?

Ainda outro dia uma pessoa me perguntou se eu poderia dizer com certeza qual era a cor de Jesus. E eu respondi que com certeza não era o estereotipo apresentado nas folhinhas e nem nas imagens vendidas no comércio. Pois Jesus não havia nascido em nenhum País europeu para ser branco, loiro e de olhos azuis, e que essa imagem os foi imposta pelos pintores europeus na idade média, como modelo da aristocracia real europeia.

Quando vejo o trabalho dos médicos sem fronteira que se apresentam no meio do mar Mediterrâneo para verificar os fugitivos africanos, e de outros países em situação de guerra, fome e perseguição religiosa, vejo que todas as vidas importam, não discernindo sua cor, mas seu estado de necessidade. Estamos copiando com cores fortes os acontecimentos de um país onde todos os que não forem europeus, e com maior intensidade de alguns países da Europa, com Irlanda, Escócia são discriminados. Nos Estados Unidos, católicos, muçulmanos, e de outras religiões são fortemente separados. E todos os que conseguem entrar e viver nos Estados Unidos vão morar em guetos, ou bairros de forte tendência daquelas pessoas, assim temos bairros cubanos, mexicanos, chineses, brasileiros e de outras nações, isso não é discriminação?

Todos os latinos também o são, mexicanos e caribenhos que tentam entrada nesse País são separados de seus filhos, e depois deportados sem os mesmos, e porque então somente “vidas negras importam”? Quantos brasileiros já morreram nessa jornada de tentativa de entrada, e quantos também foram deportados e humilhados pela polícia de imigração americana? Então eu volto a proclamar “todas as vidas importam”. Todos somos importantes frente ao Criador não importando nossa cor, etnia, ou opção religiosa.

O apóstolo Paulo quando visitou a mais importante cidade grega, Atenas e foi discriminado por pregar um outro Deus e chamado de “paroleiro”, (segundo o dicionário quer dizer: embusteiro, mentiroso) em Atos capitulo 17, versículos  18 a 23: “E alguns dos filósofos epicureus e estóicos contendiam com ele; e uns diziam: Que quer dizer este paroleiro? E outros: Parece que é pregador de deuses estranhos; porque lhes anunciava a Jesus e a ressurreição. E tomando-o, o levaram ao Areópago, dizendo: Poderemos nós saber que nova doutrina é essa de que falas? Pois coisas estranhas nos trazes aos ouvidos; queremos, pois saber o que vem a ser isto (Pois todos os atenienses e estrangeiros residentes, de nenhuma outra coisa se ocupavam, senão de dizer e ouvir alguma novidade). E, estando Paulo no meio do Areópago, disse: Homens atenienses, em tudo vos vejo um tanto supersticiosos; Porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse, pois, que vós honrais, não o conhecendo, é o que eu vos anuncio.

Não discriminamos nenhuma etnia, por sua religião, acolhemos a todos e não os colocamos em guetos, como no País do norte. Também não somos movidos a interesses escusos, onde quem tem dinheiro é aceito e pode sair do gueto. A palavra do apóstolo Paulo bem traduz essa situação, os gregos achavam-se os mais cultos, os mais inteligentes, os que através do conhecimento dominaram inclusive a guerreira e poderosa Roma. E é lá que o apóstolo proclama o amor de Deus, a clemência do Poderoso para com todas as vidas.

Quando lemos o texto bíblico em Gênesis, vemos que Deus forma o gênero humano, homem e mulher, como está em Gênesis capítulo 1, versículo 26, 27: “ E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se move sobre a terra.  E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou. 

A discriminação e a hipocrisia nasceram junto com o pecado que o homem deixou entrar no mundo. No coração de Deus fomos criados a sua imagem, e conforme, palavra importante, sua semelhança, em outras palavras, tendo a bondade, a virtude e o amor em nossos corações. Deus não diz que faria ali o homem de uma determinada cor que dominasse sobre todos os outros.

Termino dizendo “TODAS AS VIDAS IMPORTAM”, não a sua cor, não a sua religião, mas a sua necessidade. Se começarmos a olhar o nosso semelhante como o nosso próximo, com certeza começaremos a ser melhores cristãos, melhores servos. Shalom.

Fonte: Pr. Pedro R. Artigas

Pr. Pedro R Artigas

Pr. Pedro R Artigas

Escreve sobre Contato Pastoral

Pedro Rivadavia Artigas 

Pastor Metodista formado em 1985 pelo CEMETRE 

Especializado em Aconselhamento Familiar 

Formado em Técnico Químico em 1969 - Colégio Osvaldo Cruz - SP 

Especialização em Marketing pela ADVB - SP em 1974 

Atualmente aposentado Cultivando Orquídeas

Ler mais notícias

OPINE!

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. © 2017. Todos direitos reservados.

Desenvolvido por Cidade Portal